A revista Veja desta semana publicou interessante artigo, da escritora Lya Luft, intitulado “A Lei e a Justiça”, que reacende o debate acerca da redução da maioridade penal.

Em certo ponto a escritora põe em cheque a eficácia das instituições de ressocialização e das medidas socioeducativas impostas aos menores infratores.

Entre os argumentos apontados, um, em especial, merece reflexão. Se aos jovens de 16 anos lhes são facultados a participação no pleito eleitoral, cientes do compromisso e da importância do voto como definidor do rumo político da nação, porque, quando enveredam para o crime, deixam de ser encarados como conscientes de seus atos?

É um assunto a se pensar. Mas mais do que isso, um assunto que demanda providências.

Anúncios