Que caos todo é esse a respeito do Exame de Ordem 2010.2, hein ?!

E quando o assunto é o tal exame sempre ressurge aquele papo de que a prova é inconstitucional, ou que ao invés do exame, o que deveria ser revisto é a qualidade do ensino oferecido pelas incontáveis faculdades e universidades que vêm se multiplicando Brasil afora.

Questionável deveria ser o fato de outros cursos não exigirem uma avaliação de aptidão prático-profissional. Todos deveriam formar-se bacharéis, submeter-se a uma prova de considerável rigor objetivo, para só então, caso aprovados, atuarem livremente em sua área de escolha.

Os diversos conselhos profissionais deveriam, a exemplo da Ordem dos Advogados do Brasil, filtrar a entrada dos novos profissionais no mercado, como forma de selecionar aqueles aptos a prestar um serviço escorreito à sociedade.

Todos nós já ouvimos casos de médicos que cometeram atrocidades com seus pacientes. Será que uma prova, como ocorre com a da OAB, não evitaria, ou ao menos, diminuiria noticias com esse teor?

Será que QUALQUER recém formado detém condições plenas de defender os interesses de um cliente?

Particularmente penso que não. E o Exame de Ordem está aí para isso.

Anúncios